INTERESSEIROS MUNICIPAIS, ESTADUAIS E FEDERAIS

INTERESSEIROS MUNICIPAIS: Em Nova Petrópolis é realizado o Festival de Folclore para demonstrar a cultura alemã e outras similares, no qual e anualmente, a Assoc. Olhares da Serra recolhia cortes de cabelo, toucas e mantas para os pacientes com câncer. Em 2018 a comissão organizadora negou a colocação do posto de coleta alegando motivos bem menores dos que as cabeças carecas e debilitamento dos pacientes oncológicos. Num claro desinteresse pela saúde da própria cultura alemã e similares. Enviamos esta carta aos jornais para divulgar o novo sistema de coleta.

A5 para mídia 2018 cancer

INTERESSEIROS FEDERAIS: Após a votação que proibiu a comercialização da agricultura orgânica nos mercados, numa fútil tentativa devido a ser um tipo de alimentação em crescimento na sociedade e demonstrando uma submissão aos grupos e indústrias que produzem químicos e pagam muito bem, continuam degringolando o congresso.

Desta vez, votam em projetos de um aumento fenomenal dos gastos públicos e desonerações, que também resultam na perda de receita. Entre algumas medidas positivas, como a venda direta dos produtores de etanol aos postos de combustível, há os estapafúrdios benefícios concedidos a indústria de refrigerantes de Manaus e a criação de mais 300 municípios, numa festa dos vindouros cargos públicos e do tesouro nacional. Retiraram ajudas ao esporte e educação e, protegem a “cada vez mais furada” indústria do refri, em afronta direta ao sistema médico que lida com a crescente obesidade infantil e juvenil. Pais e educadores façam a sua parte – ate+

refrigerante-adolescente

Anúncios

Revista Olhares da Serra

10 tecno ABR JPEG

ETA RAÇA ESTRANHA QUE NÓS SOMOS! POLUÍMOS TODOS OS BIOMAS PLANETÁRIOS, SEM DÓ E NENHUMA RESPONSABILIDADE: MARES E OCEANOS, ESPAÇO, ANTÁRTIDA, ETC. E pensamos que não vai ter retorno, que vai sair de graça…KA-KA-KA – ate+

mares

400 GRAMAS POR REFEIÇÃO…

UM CÁLCULO POR CIMA DO CONSUMO POR REFEIÇÃO, NUM PESO DE 400 GRS., POR PESSOA, incluindo líquidos, numa percentagem média…5 refeições diárias = 2 kg. por dia.

PIRAMIDE 2015

2 kg de alimentos por dia, numa semana = 14 kg…num mês, x 30 = 429 kg…num ano, x 12 = 5.040 kg…em 60 anos = 302.400 kg ou 302 toneladas de alimento numa vida.

comilãoSem mencionar o que resulta dessa comilança toda…vasos_sanitarios_b7a3_300x300 É MUITA COMIDA, COM EXCESSOS NA OBESIDADE E NA OUTRA PONTA, FOME; DOENÇAS CRIADAS NA DIGESTÃO DE TUDO ISSO, VIVER DE REMÉDIOS…ME DÁ A IMPRESSÃO QUE NÃO VALE A PENA – ate+

A GRIPE DOS PORQUINHOS ATACA DE NOVO…

H1N1 já causou um falecimento em Caxias do Sul. Consiste em uma doença causada por uma mutação do vírus da gripe. Também conhecida como gripe suína, o H1N1 é um subtipo do Influenza A, que se tornou conhecido quando afetou grande parte da população mundial entre 2009 e 2010.

porco

Os sintomas da gripe H1N1 são bem parecidos com os da gripe comum e a transmissão também ocorre da mesma forma. O problema da gripe H1N1 é que ela pode levar a complicações de saúde muito graves, podendo levar os pacientes até mesmo à morte. Como aconteceu domingo passado com a professora universitária de 48 anos, internada no Hospital Pompeia.

H1N1

Todo o cuidado com quem estiver com as defesas baixas, como quem faz quimioterapia, está hospitalizado, depressivo ou com resfrio…mas gestantes, idosos, transplantados, carcerários, obesos, diabéticos, Síndrome de Down. Muito limão, poucos alimentos muito quentes ou muito frios, própolis 30 gotas, lavar frequentemente as mãos e fugir de aglomerações de pessoas, protegem um pouco da contaminação. Muita sorte a todos – ate+

ESTRANGEIROS DANDO O EXEMPLO E EMPREGOS

O Brasil é reconhecidamente um país de contrastes. Mesmo assim poucas pessoas esperavam pela notícia de que sul-coreanos estão produzindo alimentos orgânicos na Bahia.

Por mais irônico que possa parecer, não se trata de fake news. Na verdade, o local escolhido foi uma fazenda na cidade de Formosa do Rio Preto, município baiano mais distante da cidade de Salvador.

São quase mil quilômetros separando a cidade de 21 mil habitantes da capital baiana. Talvez seja o sossego da região no oeste do estado que tenha chamado a atenção dos sul-coreanos. Segundo relatos de moradores publicados na Carta Capital, a “fazenda deles parece até uma cidade nova”.

IMG_2214

Oficialmente, a presença dos asiáticos em terras distantes da Bahia se deu pela escassez de terras na Coreia do Sul, fazendo com que a empresa de alimentos orgânicos Doalnara decidisse expandir sua atuação para o Brasil.

A transação para a compra da fazenda Oásis aconteceu por intermédio da subsidiária brasileira Bom Amigo, que adquiriu cerca de 10 mil hectares da vegetação em 2010 e desde o recebimento da licença ambiental está produzindo alimentos orgânicos em um espaço de mil hectares.

Aproximadamente 500 pessoas, vindas da Rússia, Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão vivem na fazenda. A ideia é receber mais gente. O Oásis é um projeto ambicioso e em sua última colheita rendeu mais de 200 toneladas de alimentos orgânicos.

O trabalho no exterior se beneficia de uma lei aprovada em 2015 e que garante a estabilidade da produção agrícola fora do país. O Ministério da Agricultura da Coreia do Sul diz que as empresas acumularam 76 mil hectares de terra, produzindo mais de 426 mil toneladas de grãos fora de seus domínios só em 2016.

A informação chega em um momento complexo para a produção alimentícia no Brasil. Primeiro foi a aprovação de uma série de medidas, o chamado “pacote de veneno”, que vai liberar ainda mais o uso de agrotóxicos tornando o país o líder absoluto na utilização de pesticidas.

IMG_2215

Como se não bastasse, segundo o Hypeness, um projeto aprovado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados quer proibir a comercialização de alimentos orgânicos em mercearias, mercados e sacolões. O problema é que estes espaços respondem por até 71% das vendas no varejo.

A MIAORIA DOS POLÍTICOS DE BRASÍLIA SOMENTE PENSA NO BOLSO E NUNCA NA SAÚDE DA POPULAÇÃO QUE VOTOU NELES, UMA VERGONHOSA VERDADE NACIONAL – até+

 

E ME FALAM O PORQUE DE USAR MÁSCARA EM NOVA PETROPOLIS

Poluição do ar já provocou 3,2 milhões de novos casos de diabetes em pesquisas feitas.

Um em cada sete novos casos de diabetes é causado pela poluição do ar, de acordo com um estudo da Washington University School of Medicine, de St. Louis, nos Estados Unidos.

Os autores da pesquisa acreditam que “a poluição reduz a produção de insulina e provoca inflamações, impedindo o corpo de transformar a glicose do sangue em energia”. O elo entre a doença e a falta de ar puro já tinha sido desenvolvido por pesquisas anteriores.

IMG_2213

A estimativa de 14%, um em cada sete casos, é baseada em dados médicos de 1,7 milhão de ex-combatentes americanos, acompanhados por oito anos e meio e escolhidos por não terem diabetes no começo da pesquisa. A pesquisa foi publicada esta sexta-feira (29jun) na revista Lancet Planetary Health.

Os pesquisadores estabeleceram um modelo estatístico para ver em que medida a poluição do ar poderia explicar a aparição da doença, levando em conta fatores que favorecem a diabetes, como a obesidade.

“Nossa pesquisa demonstra um elo significativo entre poluição do ar e diabetes no mundo”, afirmou num comunicado o professor de medicina Ziyad Al-Aly. “É importante ressaltar esse fato porque muitos lobbies econômicos afirmam que os limites de poluentes na atmosfera são muito baixos. Mas temos provas de que os níveis atuais ainda devem ser reduzidos.”

Países que não respeitam os limites impostos, como a India, o Afeganistão e a Guiana apresentam maior taxa de diabetes decorrente da poluição do ar. No lado oposto, há menos casos desse tipo da doença em nações mais ricas como a França, a Finlândia e a Islândia.

USAR MÁSCARA E AFASTAR-SE DE FUMANTES SÃO ALGUMAS DAS SOLUÇÕES – até+

 

A NATUREZA É INCRIVEL

Sam Van Aken cresceu em uma fazenda da família antes de fazer carreira como artista. Agora, trabalha como professor de arte na Universidade de Syracuse, em Nova York, mas sua mais famosa conquista – a incrível Árvore de 40 Frutos – combina seu conhecimento de agricultura e arte.

Em 2008, Van Aken soube que um pomar na Estação Experimental Agrícola do Estado de Nova York estava prestes a fechar devido à falta de financiamento. O pomar era único, uma “relíquia familiar”, onde cresciam um grande número de variedades antigas e nativas de frutas com caroço, algumas delas com 150 a 200 anos de idade.

Perder esse pomar significaria extinguir muitas variedades raras e antigas. Então, para preservá-las, Van Aken comprou o pomar e passou os anos seguintes tentando descobrir como enxertar partes de várias árvores em uma única só árvore de fruto – que seria chamada de “Árvore de Trabalho”.

Aken trabalhou com mais de 250 variedade de frutas com caroço. O professor desenvolveu uma linha do tempo na qual anotava quando cada uma das árvores florescia em relação a outra. No momento em que isso acontecia, começava a enxertar algumas delas junto às raízes estruturais da árvore de trabalho.

IMG_2206

Uma vez que a árvore de trabalho tinha cerca de 2 anos, Van Aken usou uma técnica chamada enxertia de garfo para adicionar mais variedades em ramos separados. Esta técnica envolve retirar uma lasca da árvore que inclui o broto, inserindo-a depois em um ramo da árvore de trabalho.

Depois de colocada no local da incisão, o enxerto é deixado repousar e curar durante todo inverno. Se tudo correr bem, depois do inverno o ramo será podado para encorajar o crescimento como um ramo normal da árvore de trabalho.

Após 5 anos e vários ramos enxertados, a primeira Árvore de 40 Frutas de Aken estava completa. Durante todas as estações, a árvore se parece com uma árvore comum.

Mas, na primavera, apresenta uma bonita mistura de tons de rosa, branco, vermelho e roxo que depois se transformam em uma variedade de ameixas, pêssegos, damascos, cerejas e amêndoas durante os meses de verão.

A Árvore de 40 Frutas não só é um belo espécime, como também ajuda a preservar a diversidade das frutas de caroço no mundo. Estas frutas são selecionadas para comercialização, tendo em conta os seguintes fatores: primeiro, o tempo que se mantêm frescas; depois, o tamanho que atingem; e, por fim, o sabor.

Esses critérios demonstram que existem milhares de variedades de frutas de caroço no mundo, mas apenas uma pequena quantidade é considerada comercialmente viável – mesmo não sendo as mais saborosas ou nutritivas.

De acordo com o site de Van Aken, há pelo menos 20 árvores desse tipo plantadas pelo professor até agora. As árvores podem ser encontradas em diferentes locais, como museus, centros comunitários e coleções de arte particulares espalhadas por todos os EUA.

A questão agora é: o que acontece com todas as frutas colhidas da árvore?

“As pessoas que têm essas árvores me dizem que ela fornece a quantidade e variedade de fruta perfeita. Em vez de ter uma variedade que produz mais frutas do que as que consumimos, a árvore produz uma boa quantidade de frutas de 40 variedades”, explicou Aken, em entrevista a Lauren Salked, em 2014.

“Como as frutas amadurecem em diferentes épocas do ano – que vão desde julho a outubro – as pessoas também não são ‘inundadas’ com elas”, concluiu.