SAÚDE PÚBLICA: transmissão de vírus pela água

ELIMINANDO A ÁGUA, ELIMINA-SE O PROBLEMA…E USAR TELAS MOSQUITEIRO EM JANELAS E CAMAS, E NÃO USAR ROUPAS ESCURAS QUE ATRAIAM O BICHO. blog2

A doença é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti ou Aedes albopictus (ambos da família dos pernilongos) infectados com o vírus transmissor.

A transmissão nos mosquitos ocorre quando ele suga o sangue de uma pessoa já infectada com o vírus da dengue, zika, etc. Após um período de incubação, que inicia logo depois do contato do pernilongo com o vírus e dura entre 8 e 12 dias, o mosquito está apto a transmitir a doença.

Nos seres humanos, o vírus permanece em incubação durante um período que pode durar de 3 a 15 dias. Só após esta etapa, é que os sintomas podem ser percebidos.

É importante destacar que não há transmissão através do contato direto de um doente ou de suas secreções com uma pessoa sadia. O vírus também não é transmitido através da água ou alimento.

Lembrete: Quem estiver doente deve se prevenir de picadas do mosquito Aedes aegypti para evitar a transmissão da doença para o mosquito. Assim, é possível cortar mais uma cadeia de transmissão do vírus. Portanto, quem estiver infectado deve usar repelentes, mosquiteiros e/ou outras formas de evitar as picadas.

blog

A PREVENÇÃO É FÁCIL, EM SE COMPARANDO COM OS ESTRAGOS MUNDIAIS QUE PODEM OCORRER – ate+

IMPOSTO DE RENDA PIRATA NO BRASIL

Ainda bem que aparecem estas notícias, denunciando um sistema corrupto dos impostos tupiniquins, assinados uns 20 anos atrás…

Assista a notícia de 7/01/2016 do Jornal do Comércio e entenda o fomento às calamidades que sofremos no dia a dia: escassas segurança, educação e saúde.

O SISTEMA FINANCEIRO AJUDA E PREJUDICA PESSOAS

diferença social

A REGRA É CLARA: Fome gera roubo, Ignorância gera confusões e diferenças sociais gritantes geram violência…AO SE ELIMINAR A FOME, A IGNORÂNCIA E A VIOLÊNCIA, A VIDA NESTE PLANETA SERIA UMA DÁDIVA, UM PRESENTE  RECEBIDO DO DIVINO, QUE INSISTIMOS EM NEGATIVAR – ate+

PROPAGANDA EM BICICLETAS

Nova Petrópolis desconsidera os diferentes tamanhos, poluição sonora e escapamento dos diversos meios de propaganda embarcada, na nova lei de uso comercial dos espaços públicos. Tal lei da propaganda privilegia o meio ambiente, o que deixaria em 1° lugar as bicicletas com marketing. Enormes e feias poluições visuais são o lixo na avenida principal, placas luminosas 24 horas por dia e o tapume dos ônibus na Praça das Flores.

É só comparar o volume, poluição e barulho de uma carreta, com um reboque de bicicletas: pequeno, não poluidor e sem fazer barulho- ate+

 

 

PÃO DE QUEIJO MAIS SAUDÁVEL DO MUNDO

Muitas pessoas têm restringido o consumo de leite. Seja por intolerância à lactose, alergia ou até mesmo pela opção de manter uma dieta vegana, a falta desse alimento e seus derivados podem ser substituídos.
Para evitar a carência de cálcio, explica a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), é preciso adotar uma dieta rica em vegetais verde-escuros, como couve, espinafre e brócolis. Além disso, pode-se optar por bebida de soja, leite sem lactose, leite de coco, ovos, mel e frutas. Também é preciso ficar atento aos adoçantes, alguns contêm lactose. Confira abaixo uma alternativa para a receita do pão de queijo, uma guloseima típica da culinária brasileira.

 

image
Ingredientes:
1 xícara de (chá) de batata doce cozida e amassada.
1 colher (sopa) cheia de polvilho azedo.
2 colheres de (sopa) cheias de polvilho doce.
1 colher (sobremesa) de azeite de oliva.
1 colher (sopa) de sementes de chia.
1 colher de (chá) de orégano.
1 colher de (chá) de açafrão em pó.
Sal a gosto.
Como fazer:
O modo de preparo não poderia ser mais simples: basta misturar tudo até a massa ficar homogênea e soltar das mãos. Em seguida, faça bolinhas semelhantes ao pão de queijo e asse em forno pré aquecido a 180º C, por 30 a 40 minutos ou até ficarem dourados.
A receita foi ensinada pela Proteste, que preparou uma tabela com opções de alimentos para quem não pode ingerir a proteína do leite, confira em “Tabela de alimentos avaliados” aqui.
Redação CicloVivo